O fim das sacolas plásticas?

No último dia 09, o governador de São Paulo Geraldo Alckmin assinou um acordo entre o presidente da APAS (Associação Paulista de Supermercados), João Galassi, e  o secretário do Meio Ambiente, Bruno Covas, prevendo que até o final do ano os supermercados deixarão de entregar as sacolas derivadas de petróleo ao consumidor.

O objetivo é estimular a utilização de sacolas permanentes, como a tradicional “sacola de feira”, reduzindo então o descarte de plástico ao meio ambiente.
Espera-se também que a iniciativa estimule outros setores, de modo a banir de vez as sacolinhas plásticas, ainda tão presentes em nosso dia-a-dia.

Sabia que…

O plástico leva cerca de 400 anos para se decompor nos aterros sanitários ou nos lixões e o uso de material descartável em excesso resulta no acúmulo de lixo que vai parar nos bueiros, nos rios e nos mares, matando animais, demandando altos investimentos do governo para limpar essa bagunça e piorando a qualidade de vida das pessoas.

São distribuídas, no mundo, entre 500 bilhões e 1 trilhão de sacolas plásticas por ano.
Um produto que tem custo zero para o cliente, mas requer injeções de recursos para solucionar as complicações que elas causam a longo prazo.

Sinceramente, acho que essa iniciativa já deveria ter acontecido há muito tempo, nunca entendi porque um item tão nocivo continuava a existir como se nada estivesse acontecendo. Mas o que importa é que o primeiro passo foi dado pelas autoridades, já que a maior parte da população não conseguiu abrir mão das sacolinhas por conta própria.

Eu realmente não entendo esse apego de algumas pessoas pelas sacolas plásticas, afinal, nem é tão complicado assim substituí-las, são tantas as alternativas e modelos, é uma questão de mudança de hábitos mesmo.

E você, já fez a sua parte para reverter essa situação?

Deixe uma resposta