Manual de sobrevivência às reformas

 

A maioria das pessoas sente até arrepios só de pensar em ter que encarar uma reforma, não é mesmo? Pois é, não é nada fácil lidar com todo o tumulto em sua residência ou trabalho que uma obra é capaz de causar, mas quando bem planejada desde o projeto e executada por um bom profissional, é possível minimizar o desgaste e evitar o trauma!

A escolha do arquiteto é o primeiro passo, pois ele é o profissional que fará toda a análise do imóvel para apresentar as melhores soluções, mas sempre respeitando as escolhas e preferências do cliente. O custo dos serviços do arquiteto, para desenvolvimento do projeto de reforma, geralmente é baseado na área do imóvel (em m²), mas esse valor pode aumentar caso o cliente queira o acompanhamento do profissional na escolha de itens de decoração, como luminárias, móveis, louças e metais sanitários, pisos e revestimentos, entre outros, onde a visita externa é cobrada por hora ou período.

Com o projeto arquitetônico finalizado, já é possível orçar a execução da obra e é importantíssimo que o cliente, geralmente com muita pressa, não atropele essa etapa, pois só com o projeto bem detalhado que o responsável pela execução poderá orçar os seus serviços sem que hajam surpresas desagradáveis no prazo de entrega e também na compra de materiais.

Profissional e cliente

É fundamental que o cliente entenda que é preciso ter toda a obra muito bem planejada e que todos os detalhes sejam discutidos o quanto antes, para que não hajam muitas interferências no cronograma da mesma, o que acaba impactando diretamente nos prazos de entregas dos fornecedores envolvidos.

A cumplicidade profissional entre arquiteto e engenheiro de obra também é um fator crucial para o bom andamento dos serviços, já que ambos precisam estar sempre em contato em busca das melhores soluções, principalmente diante dos inevitáveis imprevistos.

Algumas dicas valiosas

    • Projeto e obra ao mesmo tempo não é uma boa ideia. Vários clientes acham que desenvolver o projeto arquitetônico e tocar a obra simultaneamente possa ser uma saída para ganhar tempo, mas na prática, o que acontece é exatamente o contrário. Isso porque é preciso que tudo esteja minuciosamente decidido e especificado em projeto para que o engenheiro possa programar todo o seu trabalho e o cronograma na obra, mesmo que de uma pequena reforma;
    • Organize-se para custos extras. Não programe seus gastos para o valor exato apresentado pelo orçamento do engenheiro, pois todas as intervenções, por mais simples que pareçam, estão sujeitas a imprevistos (alguns deles bem desagradáveis). Tenha sempre uma reserva, pois mesmo que não seja preciso usá-la, você poderá investir em outros itens, como os decorativos, por exemplo;
    • Cuidado com os fornecedores. Alguns clientes preferem ir à caça de fornecedores por conta própria, pois acreditam ter mais disponibilidade de tempo para encontrar melhores preços e serviços que o arquiteto tão ocupado. Mas, acredite, nós profissionais estamos em constante contato com fornecedores parceiros para indicá-los conforme o tipo e porte do projeto. Procuramos sempre o melhor custo-benefício aos nossos clientes e sabemos (por conhecimento de causa) que muitas vezes o barato pode sair bem caro. Portanto, confie nos profissionais que você contratar, eles saberão conduzir os serviços da melhor forma possível;
    • Exija os documentos necessários. Com a nova norma da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) para as obras realizadas no interior de imóveis, o proprietário ou síndico poderá exigir uma ART (Anotação de Responsabilidade Técnica), emitida por um engenheiro ou um RRT (Registro de Responsabilidade Técnica), emitido pelo profissional arquiteto. Ter essa documentação em mãos preserva o cliente contra a má prática e a prática ilegal da arquitetura e engenharia, além de ser uma garantia da autoridade do profissional sobre o serviço para o qual foi contratado;
    • Muita calma nessa hora. Sim, você provavelmente entrará em colapso ao ver seu imóvel completamente destruído durante as obras de reforma, mas lembre-se que é por uma boa causa e que esse tumulto todo tem data para acabar. A melhor coisa a se fazer, quando possível, é se ausentar dessa confusão e deixar que os profissionais tomem conta dos serviços, mas muitas vezes o cliente continua morando no imóvel e claro que estará sujeito à toda pressão e desconfortos envolvidos.

Então fica aqui a dica, aposte nos mantras, na elevação espiritual e na prática da Yoga para se manter no eixo até a finalização dos serviços, pois toda a espera certamente valerá a pena, você terá o seu espaço de volta do jeitinho que esperava e ainda ganhará de brinde a amizade desses profissionais que fizeram parte da sua vida por esse período conturbado, porém super importante.

Boa sorte!

Deixe uma resposta