Telhados equivocados

No primeiro post de 2014, resolvi escrever sobre algo que chamou minha atenção em nossa viagem de fim de ano ao interior de São Paulo, a variedade de telhados nas construções e suas particularidades.

Para a escolha desse elemento fundamental nas edificações, é preciso levar em conta alguns fatores além dos arquitetônicos, como os climáticos, os culturais de cada região, os históricos, os estruturais e até os financeiros, por exemplo, mas o que vi por aí foram verdadeiras aberrações que certamente geraram consequências bem desagradáveis aos seus usuários!

Alguns exemplos

  1. Chalés tipo suíços: obviamente eles não fazem o menor sentido em um país tropical como o nosso, já que a principal função desse tipo de telhado é permitir que a neve não se acumule sobre a casa. Encontrei vários deles em cidades super quentes e nem quero imaginar as verdadeiras estufas em que esses chalés devem se transformar ao longo do dia! Isso sem falar da cafonice em imitar construções de outros países sem qualquer conhecimento histórico do que elas representam. O pior mesmo é quando essas belezuras arquitetônicas são construídas em série, no formato de condomínios…

    chalés tipo suíços no interior de sp
    chalés tipo suíços no interior de sp
  2. Ausência de telhados verdes: isso mesmo, infelizmente ainda é difícil encontrar esse tipo de cobertura em nossas cidades. Uma pena, porque eles oferecem diversas vantagens aos usuários de uma residência, principalmente as relacionadas ao conforto térmico e o que vemos muito por aí as são lajes planas recebendo sol direto no lugar onde poderia existir um belo jardim e até uma nova área de lazer. Nada contra as lajes de concreto, só acredito que elas possam ser melhor aproveitadas e que também muitas vezes destoam de um ambiente mais rústico onde são implantadas.

    exemplos de lajes verdes | imagem: envec
    exemplos de lajes verdes | imagem: envec
  3. Casas supostamente neoclássicas: nesse caso não vou falar apenas do telhado, mas sim de toda a edificação, no caso, aquelas casas que alguma pessoas entendem como sinônimo de status e bom gosto. Então, preciso dizer que elas são exatamente o contrário, mostram o total desconhecimento histórico e arquitetônico de quem as idealizou, ignorando conceitos básicos que uma edificação deve seguir. Colunas, arcos, pórticos, vitrais e até (pasmem) gárgulas, tudo junto e misturado em forma de casa e o resultado são verdadeiras habitações bizarras que fariam a Família Addams entrar em êxtase. Mas esse cenário ainda pode piorar, pois esse tipo de construção faz grande sucesso em condomínios de casas por todo o país!

    exemplo de casas neoclássicas construídas e habitadas
    exemplo de casas neoclássicas construídas e habitadas

Que tal então consultar um profissional arquiteto antes de construir a sua casa?
Ele saberá levar em conta todas as questões necessárias ao melhor funcionamento da sua construção, além de avaliar se aquele tipo de casa que o cliente sempre sonhou seria mesmo a melhor opção a ser levada adiante.

A Item 6 desenvolve projetos arquitetônicos e paisagístico residenciais, conheça os nossos serviços e diferenciais.

Um comentário em “Telhados equivocados

  1. Parabéns pelas considerações! Não sou arquiteta, mas já havia observado tudo isso que você falou. Infelizmente, nem sempre “consultar um arquiteto” resolve o problema, pois na maioria das vezes o próprio arquiteto é tão ignorante quanto os clientes, em sua maioria, pessoas ricas de dinheiro e paupérrimas de cultura geral. Mas que bom que pessoas como você estejam engajadas em apontar essas falhas. Quem sabe um dia as pessoas aprendam e nossas cidades passem a ser agraciadas com construções que contribuam para um conjunto arquitetônico condizente com seu povo. Abraços.

Deixe uma resposta