Pintura ecológica – parte 2

Sempre que colocamos a mão na massa para alguma atividade, vamos aprendendo a cada experiência, e é exatamente por isso que resolvi dar continuidade ao post anterior mostrando a vocês como foi uma outra etapa da pintura dos muros aqui de casa.

Na prática

De cara resolvi dar aquele tempo de cura para a mistura de cal e água que não fiz da primeira vez, então é só juntar os dois ingredientes em um balde grande, mexer bem e deixar descansar de um dia pro outro.

Outro detalhe que ignorei da primeira vez, usar luvas. A cal resseca MUITO as mãos, então providencie suas luvas antes de se empolgar para fazer a massa, como eu. Pode ser aquelas de limpeza mesmo ou as cirúrgicas, bem fáceis de encontrar.

 

mistura de cal e água antes do tempo de cura | imagem: arquivo pessoal

Percebi também algo super importante, que a tinta muda muito de tom conforme vai secando, ela clareia demais, então, só na prática mesmo para entender como as misturas funcionam até chegar na cor exata que você pensou. Mas caso fique muito mais claro do que o esperado, como aconteceu comigo, não tem problema algum, é só guardar um pouco da mistura para aplicar outras demãos depois, fiz isso no muro ocre e olha só como ficou!

 

pintura do muro em cada demão | imagem: arquivo pessoal

Após a 1ª demão, antes de secar totalmente, a tinta apresenta manchas e o tom é bem mais forte do que o resultado final após a 2ª demão. Mas gostei mesmo da experiência porque você pode ir criando suas próprias cores, inclusive aplicando tons diferentes para não ficar tudo muito uniforme, foi o que fiz. No muro amarelo, resolvi aplicar outra demão em um tom um pouco mais escuro, pois acho que o contraste com as plantas que virão pra cá será bem melhor dessa forma e ficou assim:

 

muro amarelo finalizado | imagem:arquivo pessoal

Bom, essa foi a minha experiência na prática com as tintas ecológicas, aprendi bastante e adorei poder fazer por conta própria e a um custo super baixo, um trabalho artesanal e ambientalmente correto aqui em casa. Espero poder ter inspirado alguns de vocês a se aventurarem também e adoraria saber como foi, me contem!

Deixe uma resposta