Dia Mundial da Conscientização do Autismo

 

Dia 02 de abril, é celebrado o Dia Mundial da Conscientização do Autismo, não só no Brasil mas em todo mundo. E essa é uma oportunidade super bacana para esclarecer as pessoas, principalmente as que têm pouco ou nenhum contato com o diagnóstico.

Mas por que precisamos ter um dia dedicado ao tema? Confira as “10 razões pelas quais precisamos da conscientização do autismo”, retirado do blog Lagarta Vira Pupa:

  1. Ainda há psicólogos (e até psiquiatras) dizendo que autismo é problema de vínculo com os pais e até que autismo se cura com aceitação;
  2. Muitas escolas continuam negando matrícula a crianças autistas mesmo com uma lei que transformou isso em crime;
  3. Muitas escolas aceitam a matrícula, mas não buscam capacitação. Assim, crianças autistas vão ficando “encostadas” sem nunca poder alcançar todo o seu potencial;
  4. Grande parte dos pediatras não está apta a reconhecer sinais de autismo em bebês. É recorrente mandarem os pais esperarem, ou colocarem na escola, e culparem a falta de estímulos pelo problema;
  5. Mães continuam aconselhando outras mães dizendo que “cada criança tem seu tempo”. Mesmo que a criança em questão tenha 3 anos de idade e não fale nada;
  6. O serviço público de saúde do Brasil não fornece, nem de longe, as intervenções que uma criança autista precisa;
  7. Muita gente ainda acha que “autista” é xingamento;
  8. Muita gente ainda acha que todo autista é gênio;
  9. Muita gente ainda acha que todas as mães de autista são santas/escolhidas/imaculadas e que, por isso, têm obrigação de aguentar tudo sem reclamar e com um sorriso no rosto;
  10. Muita gente ainda precisa entender que não é nem um pouco fácil. Mas há amor, há beleza, há aprendizados, vida, felicidade, e tudo o mais. Basta se informar, se dedicar, readequar um pouco as expectativas e aprender a comemorar vitórias diferentes, mas igualmente válidas.

Também gosto muito desse trecho do post “O que muda em nossas vidas ao descobrirmos que temos um filho autista”, do blog Olhando nos olhos – A vida de um autista:

“O autismo é uma característica que faz com que a vida de todos os envolvidos com o diagnóstico  mude radicalmente. Geralmente ele vem sozinho, sem nenhuma motivação ou razão aparente. Você planejou um filho, sonhou em ter ele e do nada sua vida mudou, o autismo entrou na sua vida… Sem pedir licença, sem formalidades, cheio de estereotipias, sem regras, sem diferenciar pessoas, posições sociais, locais de convivência ou tradições familiares… Não diferencia posição geográfica, crenças religiosas, classe social ou etnia. O autismo é assim, ele te escolhe e vem, independentemente de grau, ele entra na sua vida e muda tudo, é capaz de construir ou destruir. Não importa se você tem um olhar positivo ou negativo sobre isso, serão dias de luta e gloria e também dias de dor e sofrimento. Uma montanha russa emocional, bênçãos e sofrimentos, um dia de cada vez, não existe fórmula mágica.”.

“O bem da verdade é que se você tem amor no coração e percebe que seu filho tem algum tipo de limitação você passa a amá-lo ainda mais, mesmo sabendo que terá um caminho longo e sofrido pela frente. Mas precisa de muita paciência, estudo, paz, desprendimento, libertação para ir atrás de uma vida digna e cheia de conquistas e momentos que valham a pena serem guardados na memória.”.

E como mãe de uma criança com o diagnóstico, procuro sempre enfatizar que existem vários níveis de comprometimento dentro do espectro autista, desde os mais leves até os mais graves e muitos acompanhados de algum déficit intelectual. Algumas crianças são agressivas, outras se isolam. Algumas não falam e outras são geniais, mas vale lembrar que, acima de qualquer condição, elas só precisam viver como crianças e aproveitar ao máximo esse momento de aprendizado e desenvolvimento. Precisam mesmo é conviver juntas em um ambiente de respeito e muito amor, para que no futuro possamos ter um mundo mais humano, justo e tolerante esperando por eles!

Deixe uma resposta