Tintas "quase verdes"

tinta_verdeNa hora de comprar as tintas para pintar as paredes de casa, você sabe escolher as menos nocivas à saúde?
Pois é, vale a pena conhecer melhor a composição de cada tipo de produto e os cuidados que devemos tomar nessa escolha, que vai muito além das cores.

Ainda não temos regras ou certificações no Brasil para medir e controlar a sustentabilidade dos materiais, mas a crescente conscientização do consumidor faz com que o mercado sinta a pressão por produtos menos poluentes e agressivos à saúde e ao meio ambiente.

No caso das tintas, graças à lei federal nº 11.762, que restringe o uso de chumbo em tintas imobiliárias para menos de 0,06% do peso do produto, nenhuma grande marca leva o metal em suas fórmulas.

COVs

O próximo alvo, seguindo a tendência mundial, serão os COVs (compostos orgânicos voláteis), substâncias tóxicas presentes, principalmente, em tintas à base de solvente e que são fontes de poluição atmosférica em ambientes internos.

Milhões de pintores e pessoas que trabalham ou vivem em imóveis recém-pintados nunca ouviram falar dos compostos orgânicos voláteis e nem imaginam que podem causar desde irritação nos olhos e na garganta e dor de cabeça até câncer e danos ao fígado, aos rins e ao sistema nervoso central.

E não estão só nas tintas, também são encontrados em materiais de construção, adesivos, produtos de limpeza, fumaça de cigarro, combustíveis, cosméticos, cera, agrotóxicos, copiadoras, impressoras, entre outros.

Tintas imobiliárias

A tinta imobiliária representa 80% do volume total de tintas produzidas no Brasil, que é um dos cinco maiores mercados mundiais do produto, e é uma pequena parte disso que está nos galões que você compra pra pintar a casa nova ou reformar o apartamento.

pintura residencial merece toda atenção | imagem: direto negócios imobiliários
pintura residencial merece toda atenção | imagem: direto negócios imobiliários

No site da Suvinil, a descrição da composição acompanha a apresentação dos produtos e é possível encontrar informações como “não contém benzeno e metais pesados”.
Já o site da Coral oferece fichas técnicas mais completas de suas tintas, mas com algumas informações genéricas na descrição da composição dos produtos, como “outros aditivos”, sem especificações.

As fichas trazem também a quantidade de COVs presente em cada tipo de tinta., por exemplo, a tinta Coralar Látex tem 1,77 g/L de Compostos Orgânicos Voláteis, ao passo que a Coralar Tinta Acrílica apresenta 7,14g/L. Ambas são diluídas em água. Já a tinta óleo Coralsol Brilhante salta para 437,09 g/L e usa solventes.

A ABRAFATI (Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas) já iniciou estudos visando a redução de COVs em suas fórmulas, tomando a legislação européia como referência.

Seguem algumas dicas importantes que devem ser levadas em conta na hora de adquirir esse tipo de produto:

  • Adquira produtos de empresas que estão na lista de conformidade do Programa Setorial da Qualidade, do Ministério das Cidades;
  • Privilegie os fabricantes integrantes da Abrafati, eles participam do Coatings Care, programa internacional que incentiva a redução do consumo de energia e água no processo produtivo;
  • Prefira tintas látex à base de água, terra ou pigmentos minerais, menos agressivas à saúde e ao ambiente do que aquelas que usam solvente;
  • Argamassas pigmentadas e tintas à base de cal são boas opções porque duram mais e não contêm biocidas tóxicos;
  • Verifique a durabilidade e o rendimento, consumindo menos, você também diminuirá os impactos ambientais;
  • E para evitar desperdícios desnecessários, calcule o que será usado e evite comprar muito mais do que o previsto.

Em nossos projetos, a Item 6 procura empregar produtos ambientalmente corretos, como as Tintas Solum, pena que as cores são limitadas por causa da pigmentação natural e o custo, ainda mais alto que o convencional, acaba inibindo o cliente.
Mas é importante considerar todos os fatores apresentados aqui, de modo a preservar a saúde dos profissionais, dos usuários envolvidos e também do meio ambiente.

Fonte: Planeta Sustentável e Superinteressante

Um comentário em “Tintas "quase verdes"

Deixe uma resposta