Desperdício na iluminação pública

A cidade de São Paulo vem mostrando a cada dia que está muito longe de ser uma metrópole comprometida com as questões ambientais.

São inúmeros pontos negativos, comuns nas grandes cidades e causados por seu crescimento desordenado, mas que não podem ser solucionados sem muito planejamento.
Lamentável mesmo é constatar o desperdício sem qualquer motivo, como o que vem acontecendo diariamente com a iluminação pública.

Vários pontos da cidade permanecem com as luzes acesas em plena luz do dia, um péssimo exemplo de desperdício quando passamos por um momento tão delicado frente às questões ambientais.

Na cidade de Santos, no litoral do estado, uma boa parte da iluminação pública é composta por sensores de luminosidade, que acionam o acendimento das lâmpadas conforme a escassez de luz natural.
Por que então São Paulo não implanta esse sistema tão simples nas luminárias espalhadas por toda a cidade?

Eu ainda acho que poderíamos ir além, utilizando da energia solar para economizar energia elétrica na iluminação pública das cidades, mas sinceramente, não sei o que impede que tecnologias simples como essa não possam ser implantadas de verdade.

Fonte: G1

6 comentários em “Desperdício na iluminação pública

  1. Karla, eu sou Engenheiro Eletricista, trabalho na área de Eficiência Energética, em especial com iluminação pública. A cidade de São Paulo possui por volta de 500 mil pontos de Iluminação Pública. Aqui é utilizado 1 caixa de comando que energiza várias lâmpadas em sequência acendendo ou apagando-as. Acredito que em Santos é utilizado um comando individual, ou seja, se ele estiver com defeito somente 1 luminária irá ficar acesa.
    Os sistemas de iluminação com LED e energia solar ainda sofrem de um baixo rendimento. São de certo ponto até viáveis para locais menores, como um estacionamento, porém para as vias públicas, em que há um vão médio entre os postes de 35, 40 metros e logradouros com 9 metros de largura, essas soluções ainda não estão tecnológicamente evoluídas.

    1. Olá Bruno,

      Muito interessante as suas informações, acredito que as novas tecnologias não sejam compatíveis com o que temos hoje aqui, mas que elas existem, existem, pois são amplamente utilizadas nos países europeus.
      Acho que os governantes poderiam correr atrás dessa tecnologia para implantarem aqui no país, pois estamos muito aquém do que poderíamos oferecer ás nossas cidades, não é mesmo?

      Obrigada por suas informações e até mais,
      Karla.

  2. Nós temos as mais novas soluções para iluminação publica, realmente os antigos sistemas de LED´s não eram eficientes, mas sempre surgindo novas tecnologias , não é !

  3. Olá pessoal,
    Meu nome é WESLEY, sou Subsecretário Municipal de Infraestrutura no município de São Mateus-ES. Com relação a essa questão de desperdício (lâmpadas acesas ao dia) realmente foi um fator que tratamos com muita exatidão. Conseguimos implantar aqui um sistema que permite o gerenciamento do pátio de iluminação pública, no tocante ao controle do material empregado, especificamente no tocante a execução de garantidas. No entanto, nesse mesmo sistema existe um módulo que permite o registro de reclamações advindas da população; tais reclamações são veiculadas por intermédio de um call-center local em nossa Secretaria, onde somos avisados sobre LÂMPADAS ACESAS AO DIA e APAGADAS A NOITE. Com isso, nossa contratada tem o prazo para sanar o problema e nos retornar a OS devidamente tratada para baixa no sistema. Que fique claro, estou falando de um município que tem aproximadamente 13 mil pontos de iluminação pública.

  4. Somos uma empresa de São Paulo, e temos a tecnologia para atender as demandas descritas , com energia limpa, a um custo beneficio espetacular, basta boa vontade do setor publico em fazer licitações honestas que teremos imenso prazer em prestar nossos serviços e atender as expectativas de todos.
    ATT.

Deixe uma resposta