Flutuador no Rio Tietê – 11º ao 15º dia

11º dia – 14/09/09

O tempo fechado marcou o dia do aventureiro Dan Robson, guardião do flutuador que avalia os níveis de oxigenação da água do Rio Tietê.

Pela manhã, partindo de Osasco, o índice registrou 0,09 mg/l, considerado PÉSSIMO.

Em Barueri foi de 0,03 mg/l para 0,01 mg/l e em Santana de Parnaíba, nenhuma surpresa: 0,01 mg/l.

12º dia – 15/09/09

Em Pirapora do Bom Jesus uma surpresa, apesar da visível poluição e do extremo mau cheiro da água, o flutuador marca 5,48 mg/l.

Mas esse inesperado índice tem uma explicação, segundo um engenheiro do EMAE, provavelmente a medição do oxigênio dissolvido foi em uma região com bastante agitação da água.
A agitação da água promove a formação de oxigênio dissolvido ou tem algum córrego que tenha água limpa.
O nível BOM de oxigênio não dura muito e logo a frente volta a ser PÉSSIMO.

dan navegando em meio a espuma l imagem: sptv
dan navegando em meio a espuma l imagem: sptv

Medições durante o dia: 5,8 ,g/l, 3,5 mg/l, 0,04 mg/l e terminando em 0,01 mg/l.

Hoje Dan e o flutuador fizeram boa parte do percurso em meio à espuma contaminada, que ainda está mais baixa que o de costume devido ao período de chuvas.

13º dia – 16/09/09

Nosso aventureiro e guardião do flutuador, Dan Robson, soube tirar proveito das correntezas no trecho entre Pirapora do Bom Jesus e Cabreúva, onde avançou 27 km em um único dia.

dan, no meio da correnteza do rio l imagem: sptv
dan no meio da correnteza do rio l imagem: sptv

Quanto às medições, pela manhã o flutuador marcou um índice BOM de oxigênio: 7,2 mg/l, mas não pela qualidade da água e sim por causa da barragem, que agita a água e deixa o rio mais oxigenado nesse trecho.

Logo em seguida esse índice caiu para 5,6 mg/l, 4,2 mg/l, 1,5 mg/l e 1,2 mg/l, terminando o dia em PÉSSIMO.

14º dia – 17/09/09

No dia de hoje, as corredeiras que dão continuidade ao percurso, causaram algumas avarias no caiaque e no flutuador, que precisaram de reparos.
Na chegada a Itu, ambientalistas da ONG SOS Mata Atlântica acompanharam a expedição.

O flutuador começou o dia marcando 2,2 mg/l, mas registrou um índice BOM no fim da tarde: 7,9 mg/l, apesar do lixo, que acabou estragando o belíssimo cenário nessa etapa da viagem.

15º dia – 18/09/09

Chegamos ao 15º dia da viagem de Dan Robson e o flutuador que faz medições na água do Rio Tietê.

Partindo de Itu, o índice marcou 7,6 mg/l, mas apenas porque a correnteza colabora com a oxigenação da água nesse trecho do rio.

Chegando ao município de Salto, caiaque e flutuador precisaram sair da água por causa da queda d´ água que dá nome à cidade.

queda d´água que dá nome à cidade de salto l imagem: sptv
queda d´água de salto l imagem: sptv

Já nas águas calmas, as consequências do esgoto lançado no rio ficam claras com o índice 1,7 mg/l, considerado PÉSSIMO.

Outra barragem, que faz o índice voltar para BOM, com 8,1 mg/l.

Em seguida, tartarugas e peixes dão o ar da graça, sinal que a vida está voltando ao Rio Tietê.

Para entender melhor as medições levantadas pelo flutuador, segue uma referência que indica a qualidade da água de acordo com a taxa de oxigenação da amostra em cada trecho do rio:

Nível de oxigenação Classificação
0 a 1,9 mg/l

PÉSSIMA

2 a 4,9 mg/l RUIM
Acima de 5 mg/l BOA


Fonte:
Rios de São Paulo

Deixe uma resposta