Cocô de cachorro que vira energia

Quem é que nunca se deparou com um cocô de cachorro bem no meio do seu caminho?

Tudo bem que não existem mesmo lixeiras suficientes espalhadas pelas calçadas, mas isso não justifica as pessoas que passeiam com seus bichinhos e que simplesmente fingem que não percebem a sujeira deixada.

Mas segundo muitos ambientalistas, não basta recolher as fezes em sacos plásticos comuns, pois além de aumentar o volume de lixo urbano nos aterros, essa prática libera metano, um gás de efeito estufa 23 vezes pior que o gás carbônico.

E foi pensando nesse inconveniente que um grupo de designers da cidade de Cambridge, nos EUA, desenvolveu o Park Spark Project.

O projeto sugere que os donos dos cachorros recolham o cocô em sacolas biodegradáveis e as joguem em um digestor de metano, instalado em locais públicos.

desenho esquemático do park spark project | imagem: superinteressante

A queima do metano alimentaria os postes de luz, não apenas impedindo que o gás fosse para a atmosfera, como também economizando energia vinda de outras fontes poluentes como o carvão.

Espero que não demore muito para que novas tecnologias como essa sejam logo desenvolvidas, pois ainda aproveitamos muito pouco das vantagens da coleta e queima do metano, tão nocivo ao meio ambiente.

Fonte: Superinteressante

Deixe uma resposta